terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Em nova decisão, SP é obrigado a mudar jornada dos professores

O Governo vai enrolar, e assim com o começo do ano letivo, a tendência é aceitarem a proposta do governo para não prejudicar o aluno. Nesse ponto, temos que dar o braço a torcer, que o governo acaba sendo mais inteligente e usando seu poder de fogo que é a indicação dos "grandões" no TJ SP.
Fonte: 31/01/2012 - 18h51 Fábio Takahashi - Folha de São Paulo
Em nova decisão, tomada nesta terça-feira, a Justiça ordenou que o governo de São Paulo deve seguir o pedido da Apeoesp (sindicato dos professores) e ampliar a jornada extraclasse dos docentes da educação básica.
A decisão de hoje, da 3ª Vara da Fazenda Pública, foi referente ao mérito da ação, à qual cabe recurso. Até ontem (30), a Justiça vinha analisando os pedidos liminares (provisórios).
Assim, o governo vai ter de transferir o equivalente a sete aulas semanais para o período extraclasse dos professores (com jornada semanal de 40 horas) --tempo em que ele pode, por exemplo, preparar atividades e corrigir provas.
Como tinha a decisão provisória favorável, o governo definiu a jornada dos professores transferindo apenas uma aula semanal. O ano letivo começa nesta quarta-feira (1º).
No processo, o governo afirmava ser inviável seguir o pedido do Apeoesp, pois seria necessário contratar mais de 50 mil professores, numa rede que possui hoje cerca de 210 mil.
A discordância nas contas do governo e do sindicato ocorre devido à diferença entre a quantidade de horas pagas e a de horas em sala.
Na rede estadual, a aula dura 50 minutos (período diurno), mas o docente recebe por 60 minutos.
Para o governo, a diferença de dez minutos em cada aula deve ser contada como jornada extraclasse, o que é refutado pelos sindicatos.
O Estado foi obrigado a alterar a jornada docente devido à lei federal que obriga que 33% do tempo seja destinado a atividades extraclasse.
A Secretaria da Educação informou que "não foi notificada sobre nenhuma decisão" e confirmou que o ano letivo terá início amanhã, "conforme previsto".

4 comentários:

  1. MEU DEUS! O que faz um homem que lutou muito para ter essa profissão e agora encontra dificuldades para honrar seus compromissos, sustentar a casa seus filhos. Minha família hoje me vê como um coitado que acreditou tanto e tornou-se um miserável que esmola para conseguir um pouco da vida enquanto que muitos fazem tão pouco e são vistos como homens de sucesso. Pena, a vida não me dá o mínimo para mostrar minha capacidade, sou visto como um trapo humano que não teve êxito apenas sofre passivamente enquanto as celebridades decidem seu futuro fatídico. Ainda sim, Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir
  2. É a inversão de valores na prática. O professor é marginalizado, enquanto o corrupto é glorificado. Meus Deus, tende piedade de nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, ser professor é atualmente ser a linha do fracasso, todos exatamente todos, debocham quando falamos 'sou professor', piadas são contadas inclusive entre nossos colegas, 'vai morrer pobre e ESTRESSADO', coitadinho. Portanto, cabe somente a nós saírmos dessa profissão para tentar comoção social e, quem sabe descobrirem nosso real valor.

      Excluir
  3. compartilho do sentimento dos colegas.

    ResponderExcluir